O que os animais pensam?

Como uma grande variedades de animais podem ser criados como pets, falaremos aqui sobre como pensam os animais.

Você vai se surpreender ao descobrir que as vacas têm inimigas, corvos fazem planos, e cães e gatos são peritos em dissimulação.

Eu sou eu, você é você

O mundo animal é dividido entre os animais sencientes e os não sencientes.
Senciência é a capacidade de ter sensações e sentimentos de forma consciente, tendo percepções conscientes do que lhe acontece e do que o rodeia.

Uma barata, por exemplo, é só uma máquina programada para encontrar comida e fugir das chineladas. É burra como uma pedra e sequer sabe que é uma barata.

Já um gato sabe que é um gato. Uma galinha sabe que é uma galinha.
Um cachorro sabe que é… gente 🙂

Incrivelmente, até há pouco tempo, a ciência não aceitava isso. Os seres vivos era separados entre “humanos” e “animais”.

Hoje, a divisão está bem mais complexa. A diferença entre as nossas faculdades mentais e as dos cães, gatos, chimpanzés e corvos é em grau, não em tipo.

Saiba mais sobre a senciência clicando aqui.

Diferenças

Um polvo não sabe que está mudando de cor para se camuflar, assim como as cobras não têm consciência de que enganam predadores quando se fingem de mortas.

Tudo isso é apenas obra da incrível seleção natural. É como tendemos à nos encolher quando ouvimos um barulho alto. Puro instinto de sobrevivência.

Já quando um corvo entorta um arame para fazer uma vara de pescar, não está agindo de forma programada. Ele está fazendo isso para fisgar peixes. Corvos usam sua criatividade para isso, tanto quanto nós usamos quando inventamos nossas varas e anzóis há 80 mil anos.

Tudo bem, os corvos inventam ferramentas para sobreviver, mas podemos chamar isso de inteligência? Sim! Podemos e devemos!

O que se passa

Para começar a entender como funciona a inteligência dos outros animais, temos que compreender como eles percebem o mundo.

Para os humanos, uma árvore enfeita a paisagem, entre outras coisas. Para um pássaro, ela é um refúgio, sua morada.
Já um cachorro não ligará para ela, a menos que exale xixi de outro cachorro. Somente assim ela terá importância para ela.

Enquanto humanos são seres visuais, os cães veem a realidade com o olfato. Assim, o universo dos cachorros é composto por cheiros diferentes.

Talvez por isso eles não liguem para o reflexo no espelho ou a imagem na televisão.

Nossos gatos percebem o mundo como um grande território de caça. Para isso, eles usam todos os seus sentidos juntos.

Os gatos unem o olfato, a audição e a visão para calcular a melhor distância, a melhor altura, o melhor salto para dar o bote. Seja para caçar um rato(pode ser de borracha) ou mesmo para subir no roupeiro.

Malandragem

Gatos

Poucas coisas são tão irritantes quanto um gato pedindo para trocar a ração. Parece que ele vai morrer se você não der comida na hora que ele grita.
Não se desespere, pois esse é apenas um truque do seu bichano!

A cientista Karen McComb, da Universidade de Sussex-Inglaterra, descobriu que a maioria dos gatos emitem um miado de alta frequência, similar ao choro de um bebê, que dispara um senso de urgência no cérebro humano, principalmente no feminino.
Como resultado, os tutores se sentem obrigados a alimentá-los urgentemente.

Esse é um dos instinto que os animais domésticos desenvolveram com a convivência humana. Com o passar dos milênios, nossos gatos já nascem sabendo o que fazer.

Tá, então isso não é inteligência, é instinto, certo? Errado!
Após estudo aprofundado, foi descoberto que, normalmente, apenas choravam assim os gatos que viviam somente com uma pessoa. Ou seja, eles aprendem a dramatizar o miado quando vivem numa relação de um para um.

Não pense que somente os gatos são interesseiros!
Num ranking de chantagem emocional, os cães são os campeões disparados.

Cães

Cães são os únicos animais que descobrem o que você está pensando somente com contato visual. Assim, eles podem detectar o nível de atenção dos donos e atuar de acordo com ele. Tudo isso graças à evolução!

Cães domésticos são descendentes de lobos e trocaram a matilha pela família humana.
No começo da domesticação, apenas os que imitavam o comportamento humano podiam conviver próximo as famílias, o que lhes garantia conforto e alimentação. Para isso, eles precisaram descobrir o que queriam deles, e assim se tornaram experts em contato visual.

Papagaio

A genialidade dos nossos cães e gatos não chega perto da de um concorrente praticamente descerebrado: o papagaio.
Papagaios possuem o cérebro de tamanho equivalente à uma noz.

Alex, o papagaio que morreu aos 31 anos, contava até 6 e tinha um vocabulário equivalente ao de uma criança de 2 anos. Ele também distinguia objetos por formato, cor e composição.
Essa capacidade de raciocinar, somada à habilidade de imitar a voz humana, fazia com que Alex fosse visto como uma pessoa com asas.

Alex acabou com a antiga afirmação da ciência de que haveria relação direta entre o tamanho do cérebro e a capacidade cognitiva.
Com um cérebro de 9 g, Alex era mais esperto que uma cachalote, baleia que possui o maior cérebro do planeta com quase 8 Kg.

Tipos de linguagens

O homem é o único animal capaz de formar frases complexas e registrar o que pensa. Porém, alguns animais podem compreender a nossa linguagem assim como uma criança de 3 anos, embora não consigam reproduzi-la.

Um exemplo disso é Chaser, uma Border Collie que compreende mais de mil malavras, além de entender frases simples e aprender por exclusão.

Conheça Chaser clicando aqui.

Outro caso famoso é o de Kanzi, um bonobo criado pela pesquisadora Sue Savage-Rumbaugh. Ele cresceu exposto ao nosso vocabulário e entende mais de 400 palavras. Já que não pode falar, Kanzi forma frases apontando para um glossário com símbolos.

Esses símbolos representam desde substantivos e verbos simples, como “maçã” e “deitar”, até conceitos complexos, como “ontem” e “amanhã”. Kanzi pode até mesmo conjugar verbos, inclusive no passado e no gerúndio, mais do que muita gente por ai.

Comunicação

Certo, Chaser e Kanzi nunca irão usar as palavras que sabem para se comunicar com outros animais, mas isso não significa que não se comuniquem.

Cães e gatos urinam para se comunicar. Abelhas dançam no ar para informar a direção do alimento. Golfinhos e baleias cantam e assobiam para conversar debaixo d’água.

Todos os animais que vivem em bando alertam aos outros sobre o perigo, mesmo que isso coloque sua própria vida em risco.

Amor e outras coisas

É muito improvável que o amor tenha surgido para o homem sem nenhum precursor.

Pensando nisso, cientistas insistiram até conseguirem comprovar que os mamíferos e os pássaros amam. Isso mesmo, amam!

Mais de 90% das aves são monogâmicas.
Pinguins e corvos passam a vida inteira com um único parceiro. Já os pombos possuem uma atitude bem semelhante á outros seres por aí, eles traem seus parceiros, mas não se divorciam jamais.

Você pode não acreditar, mas as vacas fazem melhores amigas. Além disso, elas são extremamente fofoqueiras! Elas formam “clubes da Luluzinha”, têm rixas com outros grupos e guardam rancor por anos.

Falando dos nossos amados cães, a espécie evoluiu para se tornar muito mais do que uma subespécie. Emocionalmente, os cães estão mais para um humano de quatro patas do que para um lobo. Eles ficam felizes por nossa companhia e sofrem com nossa ausência.

Nossos gatos, apesar da maioria ser independente, também se apegam profundamente aos humanos, preferindo sua companhia à dos outros animais.

Leia sobre a saudade nos cães e gatos, aqui.

Seja o primeiro a comentar em "O que os animais pensam?"

Comente isso

Seu e-mail não será publicado.


*